Causos, Tailândia

Um bilhetinho escrito em Thai

1 de dezembro de 2016

Durante nossa viagem, publicamos a foto da Dé com um bilhete, com um endereço escrito em thai. Prometemos explicar o contexto daquilo depois. Bem, chegou a hora.

Mas antes de falar do tal endereço, vamos relatar o ocorrido.

Chegamos na Tailândia pelo Aeroporto Internacional Suvarnabhumi. Seguimos apressados para a imigração, depois de dois vôos consecutivos e uma conexão que nos tomaram mais de 24 horas de viagem, e viraram nosso fuso de ponta cabeça. Nossa empolgação era evidente, e se sobrepunha ao sono e cansaço causados pela viagem.

Poucos segundos depois, essa alegria toda ia virar farinha.

Poucos segundos depois, essa alegria toda ia virar farinha.

Chegando lá, uma fila enorme que muito provavelmente nos faria esperar por mais de meia hora. Uma atendente que fazia a triagem da fila pede nossos passaportes, e vendo que éramos brasileiros nos pede para que sigamos ao Controle de Saúde. A Dé fica BRANCA, instantaneamente. Eu não entendo e pergunto o que aconteceu.

– Esqueci as vacinas em casa, no outro passaporte.

Acompanhado daquele famoso palavrão que começa com F.

Acompanhado daquele famoso palavrão que começa com F.

Nossos passaportes estavam novinhos, pois os anteriores venciam naquela data. E a vacina de febre amarela é obrigatória nos três países que visitaríamos. Havíamos tirado a dita em 2011, antes de embarcar pra Bolívia, e NUNCA pediram aquele raio de papelzinho em lugar nenhum. Que hora – e que lugar – pra isso acontecer…

Eu imaginava que não nos mandariam embora por isso, enquanto ela se sentiu absurdamente culpada por ter esquecido algo tão importante. Seguimos para o Controle de Saúde, onde preenchemos um formulário e pegamos a fila para o atendimento. Uma mocinha simpática, um gordinho sorridente e um cara mal-encarado estavam atendendo as pessoas. Nem preciso dizer qual dos três nos atendeu.

A primeira coisa que o Zangado (será chamado assim até o final desse texto) perguntou foi onde estavam nossas vacinas. “Esquecemos em nossos passaportes antigos“, a Dé respondeu. Ele então fez aquela cara que seu professor fazia quando você dizia que o cachorro comeu sua lição de casa, e nos mandou pro cantinho da vergonha, que ficava logo ao lado dos guichês. “Esse cara vai dar uma puta canseira na gente“, eu disse. E por lá esperamos, enquanto uma galera era atendida. Ninguém olhava pra gente, ninguém mencionava o que aconteceria. Existia uma casinha ao lado, onde supostamente as pessoas que não tinham o documento eram vacinadas e recebiam o certificado. Parecia ser esse o nosso destino, mas tudo era dúvida naquele momento.

O Zangado sai do guichê. Encosta na gente e pede num inglês macarrônico (ao qual nos acostumaríamos durante a viagem, mas que naquela hora nos parecia uma engasgada) que cada um pagasse a ele 700 Baht.

Não era bem vacina o que a gente ia levar na bunda: o negócio era propina mesmo.

Bem-vindos à Tailândia. E sim: corrupção não é exclusividade nossa, por incrível que pareça.

De fato o problema do mundo é o PT (o Pilantra Tailandês). Tá explicado!

De fato o problema do mundo é o PT (o Pilantra Tailandês). Tá explicado!

Por uma sorte ABSURDA havíamos sacado nossos dólares em Dubai, durante a conexão. Uma decisão de última hora, mas que salvaria nossas vidas, uma vez que o ATM em que poderíamos sacar os 1400 Baht estava localizado DEPOIS da imigração.

Alegria em Dubai, quando fomos espertinhos e mal sabíamos da merda que daria dali a algumas horas.

Alegria em Dubai, quando fomos espertinhos e mal sabíamos da merda que daria dali a algumas horas.

Trocamos nosso dinheiro na casa de câmbio ao lado, e voltamos pro Controle de Saúde. Sinalizamos pro cara que estávamos com o dinheiro, e ele nos mandou de volta pro cantinho da vergonha. Esperamos mais um pouco, e o Zangado veio até a gente. Novamente num inglês lamentável, ele nos instrui a colocar o dinheiro dentro do passaporte. Entregamos um, ele retirou o dinheiro. Entregamos o outro, e sabe-se lá porquê ele nos devolveu o restante do dinheiro. Carimbou a autorização do Controle de Saúde e mandou a gente sair dali.

Problema resolvido? Não exatamente.

Passamos pela imigração e entramos enfim na Tailândia. Aquela parte do problema estava resolvida. Mas dali a dois dias iríamos para Hanói, e a tal vacina também seria pedida no Vietnam. Teríamos que dar um jeito de explicar pros caras como conseguimos entrar na Tailândia sem o documento (ou mentir, dizendo que o perdemos no aeroporto – e essa certamente seria a desculpa mais aceitável, uma vez que apontar que “o funcionário nos pediu propina e nós pagamos” talvez não fosse um argumento muito bem aceito pelos vietnamitas).

Fomos para o hotel, nos instalamos, saímos pra comer alguma coisa, voltamos e fomos dormir. Em teoria teríamos dois dias pra contornar a situação. Acordei às 4h, já sem sono algum, e comecei a pensar em como sair daquela roubada. Pouco depois a Dé acordou. Soubemos naquela hora que o rei havia morrido, mas isso não era a prioridade do momento. Veio então a ideia:

– E se minha mãe passasse em casa e escaneasse os documentos pra gente?

Sim, seria um trunfo. Poderíamos contar a mentira, mas pelo menos comprovar de alguma forma que sim – aqueles documentos existiam. Com ela morando perto de casa e com a minha cópia das chaves, podia funcionar… afinal de contas, ainda era final de tarde no Brasil. Liguei pra ela, ela topou na hora. MELHOR MÃE DO MUNDO, A MINHA. Tava de pijama e já desligou se aprontando. Emendei outra possibilidade absurda:

– E se eu pedisse pro Kadu fazer isso?

Afinal de contas, minha mãe tem seus “limites tecnológicos” com seus quase 70 anos – coisa que não seria problema pro Kadu. Arrisquei um whatsapp. Ele topou na hora e já estava a caminho poucos minutos depois. AMIGO DE BERÇO É OUTRO NÍVEL. Passou na casa da minha mãe, e seguiram pro nosso apartamento. Pouco depois recebíamos as fotos dos documentos. Nossa alegria E ALÍVIO com aquelas imagens eram imensuráveis. Nossa viagem tinha jeito, mesmo com aquele improviso todo.

Agradecidos e com a cabeça mais calma, começamos a pensar em qual seria DE FATO a solução definitiva. Ainda não eram 8 horas quando decidimos: melhor ir até a Embaixada. Afinal, lá a gente podia contar a tal mentira (e entenda-se: só estávamos apelando pra mentira porque era de fato o meio mais seguro pra agir naquelas circunstâncias), e receber uma autorização, solicitar segunda via da vacina, sei lá… Pegamos o endereço, descemos e pedimos indicações pra moça da recepção do hotel. Ela nos ajudou…

…E ESCREVEU O ENDEREÇO EM THAI, pra gente mostrar pro taxista. Olhaê a explicação:)

Agora sim parece coisa que se entende :)

Agora sim parece coisa que se entende 🙂

Afinal de contas, é tudo em thai naquela joça. Como a gente nunca sabe onde vai parar e pra quem pedir ajuda, instruções em thai são sempre muito bem-vindas. E vale o detalhe: aquele app do Google de tradução simultânea NÃO CONTEMPLA THAI. Então, sempre que alguém se oferecer pra traduzir suas coisas pra thai, ACEITE (e entregue pra Deus, porque não dá pra saber o que aquela instrução virou nesse monte de rabisquinho simpático).

Com o bilhete em mãos, fomos procurar um táxi. Acabamos optando por um tuk tuk (e sobre ele falaremos em outro texto). Seguimos até a Embaixada, onde explicamos a história. Conseguimos providenciar uma segunda via, porém ela só seria recebida terça ou quarta (era uma manhã de sexta, e iríamos para o Vietnam no domingo). Conversamos com o Cônsul, que nos recomendou despreocupação – disse que ia o tempo todo para Vietnam, Laos e Camboja, e somente na Tailândia a tal vacina era solicitada. Dias depois isso foi de fato comprovado, e não tivemos maiores problemas no restante da viagem.

Nosso primeiro transporte da viagem, com todas as suas peculiaridades.

Nosso primeiro transporte da viagem, com todas as suas peculiaridades.

Nesse dia instituí a frase “vai ficar tudo bem” nessa viagem. Foi usada várias vezes, e ficou tudo bem mesmo. A foto era de um papelzinho. A história dá mais de página.

Textos que você também pode gostar

Nenhum comentário

Comente