Argentina, Causos

Chillhouse/Chill out

21 de janeiro de 2016

É um texto rápido esse, pra data não passar em branco. Rápido como nossa passagem no Chillhouse – que serve de gancho pra contar um causo.

Há 3 anos (e um dia) a gente desembarcava na Argentina pela segunda vez, naquela que seria nossa viagem pela Patagônia. Uma viagem planejada durante um mês, em caráter de improviso (e com uma boa dose de mau humor no início, uma vez que nosso destino planejado era pra cima, e não pra baixo do continente). Porém, antes de chegarmos à região patagônica, passaríamos um dia em Buenos Aires.

Por ser uma pausa rápida, topamos um albergue com quarto compartilhado. Fizemos a reserva no Chillhouse, que vinha muito bem recomendado em nossas pesquisas. Porém, assim que chegamos, fomos surpreendidos com uma reserva equivocada, que nos colocou em quartos coletivos SEPARADOS. Não sei mensurar o grau do meu emputecimento, já imaginando que uma “viagem de improviso” que começava daquele jeito podia desandar pra coisa muito pior. Em situação bizarra, nos separamos, e eu dividi o quarto com mais uma menina e três caras (sendo que um deles, OBVIAMENTE, roncava mais que uma motoserra. Amaldiçoava cada segundo naquele lugar até a manhã seguinte, quando pegamos nossas coisas e seguimos viagem.

Os malditos beliches da primeira noite em Buenos Aires.

Os malditos beliches da primeira noite em Buenos Aires.

Mesmo com esse início tétrico, a viagem foi incrível.

Voltaríamos pro Chillhouse ao final da viagem, e eu imaginava uma nova sessão de terror caso fizessem uma nova cagada com nossas reservas. Porém, a Dé havia se precavido, e pela primeira vez teríamos em um albergue um quarto exclusivo, em nossas (até então) quatro viagens acumuladas. Contra toda a desconfiança acumulada, recebemos uma suíte necessária e providencial após dias extremamente cansativos: ventilador, televisão, e um banheiro no quarto que tinha até banheira. Foi a analogia perfeita com o início e fim do planejamento daquela viagem: começou nas trevas, terminou no céu.

Contra a assombração no início da viagem, um quarto perfeito.

Contra a assombração no início da viagem, um quarto perfeito.

É bom saber que a noite de 20 de janeiro de 2013 não deu o tom de uma viagem tão urgentemente planejada. Bom saber que a gente às vezes se engana nas primeiras impressões sobre determinadas coisas ou lugares. E bom saber que depois de três anos, dá pra gente comemorar uma data que hoje é tão importante na nossa vida, mesmo que naquela noite tenha sido vivida em camas separadas, e com companhias bizarras.

Afinal, ronco bom é aquele que a gente CONCORDA em dividir 😉

Textos que você também pode gostar

Nenhum comentário

Comente