Em duas rodas

Tirando as rodinhas da bicicleta

11 de janeiro de 2016

Esses últimos dias foram de total expectativa pra gente: acabamos de comprar e montar nossas bicicletas, inspirados e influenciados por diversas coisas que andaram acontecendo por aqui.

A começar, obviamente, pela estrutura que São Paulo agora possui para a prática do ciclismo. “Ah, mas não é o ideal… ainda falta muito, tem muita coisa precária e nem tudo é essa maravilha“. Verdade. Mas ao mesmo tempo, é algo concreto, e que precisa ser ocupado, utilizado e com o tempo desenvolvido para que se firme e torne-se algo tão natural quanto uma rua ou uma calçada. Há espaço sim para todos, a cidade é imensa, e a alternativa maravilhosa sob diversos aspectos. Tivemos nosso primeiro e real contato quando da primeira visita à Avenida Paulista aberta. O ambiente presente naquela primeira visita (e que se repetiu na segunda, bem em como outros diversos finais de semana) nos tomou de assalto, e dali em diante a bicicleta passou de ideia a projeto.

Além disso, estar de bicicleta muda sua relação com a cidade. Os trajetos são livres, o contato diferente, e a vontade de redescobrir paisagens e elementos que fazem parte da sua então rotina acrescenta algo lúdico a lugares tão conhecidos. Nossa ansiedade em visitar a casa da mãe/sogra, ir comer um pastel no sacolão ou mesmo dar uma volta pelas redondezas é comparável à de uma criança no dia de Natal. Existe também a parte física, que os dois trintões (a Dé ainda é trintinha, eu que estou entrando nessa perigosa área do til) precisam cuidar.

Redescobrir a cidade: sempre é hora pra isso, e os amigos já estão lá.

Redescobrir a cidade: sempre é hora pra isso, e os amigos já estão lá.

Tão lúdico que até andar pelo Minhocão parece uma boa ideia (mas de bicicleta).

Tão lúdico que até andar pelo Minhocão parece uma boa ideia (mas de bicicleta).

Temos alguns/vários amigos que já fazem parte desse movimento: alguns utilizam a dita pra trabalhar, outros fazem trilha em grupos noturnos, e uns já se profissionalizaram e viajam de bike para distâncias não tão curtas assim. Foi justamente seguindo as dicas de um casal de amigos – a Gica e o André, o casal que faz algumas das viagens mais inacreditáveis nesse modelo, e que despertou um faniquito incontrolável em nós dois – que colocamos nosso plano em prática. Eles nos mostraram algumas das possíveis combinações entre os diversos elementos que compõem uma bicicleta: guidões, freios, manetes, quadros, pneus, passadores de marcha, selins, pedais e tantas coisas que podem facilitar ou dificultar sua pedalada. Nosso teste prático foi breve, mas bastante esclarecedor – além de potencializar definitivamente o projeto. Com isso, fizemos nossa compra e montagem durante o último sábado, e se o cronograma der certo vamos retirar as crianças nessa próxima quarta-feira.

A Gica e o André pintaram nosso faniquito de trocentas cores.

A Gica e o André pintaram nosso faniquito de trocentas cores.

Aos temerosos ou que ainda não sabem pedalar, um depoimento pessoal: a Dé também não sabia até 2008, quando nos metemos a eliminar essa lacuna no Parque Villa-Lobos, aqui em São Paulo. Alugamos duas bicicletas, e eu (que nunca tinha ensinado ninguém a andar de bicicleta na vida) fiz o papel de professor naquele dia. Sim: em UM DIA ela aprendeu e deu a volta no Parque comigo. Obviamente um tombinho aqui e uma tremidinha ali fizeram parte desse passeio, exatamente da mesma forma quando a gente aprende a dirigir, arruma um emprego, essas coisas. Fato é que depois de se equilibrar pela primeira vez, nunca mais você esquece. Alguns meses depois, esse dia nos permitiu desfrutar da mesma experiência de um passeio no parque – mas em Buenos Aires, o que foi muito legal.

Já ouvimos sobre o medo e os perigos de andar de bicicleta “na rua”. Bem, perigos existem sob qualquer circunstância, e enfrentá-los é o que nos faz crescer e amplia horizontes. Por isso mesmo, estamos muito felizes em poder inaugurar essa sessãozinha chamada “em duas rodas“, que em breve – esperamos – receba mais e mais conteúdo da gente, e de quem mais se habilitar a dividir suas experiências bicicletísticas aqui no Faniquito 🙂

Textos que você também pode gostar

2 comentários

  • Responder Lu 12 de janeiro de 2016 às 20:16

    Masili, quanto vc cobra pra me ensinar a andar de bicicleta em um dia? (tô falando sério)

  • Comente