Dinheiro

E o dinheiro?

22 de dezembro de 2014

Viajar não e tão difícil quanto parece.

O dinheiro envolvido pode parecer restritivo, mas ao invés de pensar que tal orçamento vai te impedir, por que não pensar que esse mesmo orçamento é que vai ditar o tipo de viagem que você vai fazer? É simples assim: Existem vários estilos de viagem. Você pode se hospedar nos melhores hotéis, comendo nos melhores restaurantes e fazendo passeios fechados, que normalmente custam mais caro; ou então se hospedar em albergues, hotéis menores e mais simples, alugar um quarto no Airbnb, comer “comida de rua”, fazer compras no supermercado, cozinhar suas próprias refeições e fazer passeios por conta própria. Esses são somente dois exemplos em situações opostas, mas existem milhares de opções que você pode escolher, e são essas escolhas que vão ditar o seu estilo de viagem e, consequentemente, seu orçamento.

Não vou dar dicas específicas de como guardar dinheiro. Esse assunto é complicado e rende uma discussão mais focada, mas vou dizer o que eu faço e que tem funcionado muito bem com a gente (estou falando aqui de uma pessoa que tem um emprego normal, onde se tira férias uma vez por ano, e por consequência, só consegue fazer uma viagem grande uma vez por ano também):

1. Tenho uma poupança de viagem. Eu já aprendi o quanto do que eu ganho pode ser reservado sem afetar os nossos gastos normais, então logo que recebo meu tão suado salário, antes mesmo de pagar as contas, já reservo o dinheiro da poupança. Isso é feito ao longo do ano, todos os meses. Chegando perto das férias, esse é o nosso orçamento. A viagem vai ter que ser adaptada pra esse orçamento (já chegamos a mudar o destino por esse motivo).

2. A melhor época para se comprar passagens aéreas é por volta de dois meses antes da sua viagem (aqui tem um texto muito bom sobre isso). Fazemos a compra da passagem com cartão de crédito, e o pagamento com o menor número de parcelas possíveis sem estourar o orçamento total. A ideia é tentar pagar a passagem antes da viagem terminar. Eu, pessoalmente, não gosto de voltar da viagem e continuar pagando por mais três ou quatro meses. Mas também não adianta pagar a passagem à vista, se isso vai te deixar sem dinheiro durante a viagem: tudo isso tem que funcionar equilibradamente. Se alguma coisa tem que ser paga no cartão de crédito (e sempre tem – não dá pra fugir) é melhor que seja uma passagem comprada em Reais do que hospedagem e outros gastos feitos em moeda estrangeira, que estão sujeitos à variação de câmbio e IOF.

3. Não levamos muita coisa em dinheiro físico. Na verdade, isso depende do seu destino. Claro que chegando na Venezuela, por exemplo, levamos tudo que tínhamos em dinheiro físico porque não podíamos contar com uma infra-estrutura que nos permitisse outra coisa. Mas destinos mais ‘preparados’ nos permitem fazer o seguinte: levamos uma reserva em Real (uns R$ 200,00 a R$ 400,00) – essa é a reserva do desespero: se tudo der errado, você corre pra casa de câmbio e troca esses Reais. Deixamos todo o nosso dinheiro em duas contas separadas (uma minha, outra do Masili). Essas duas contas são normais – poupança ou corrente mesmo, o único porém é: você deve avisar o seu banco que vai viajar pra fora do país (ou seu cartão é bloqueado para prevenir fraudes após a primeira transação em território estrangeiro) e ele deve fazer parte da Rede Plus (Visa) ou Rede Cirrus (Master).

Os selinhos, no verso dos cartões.

Os selinhos, no verso dos cartões.

Os nossos cartões são da Plus. Isso te permite chegar em qualquer banco do mundo que faça parte dessa rede (e os bancos participantes são muitos) e sacar seu dinheirinho diretamente da sua conta, no débito, na moeda local, com uma conversão muito boa e uma taxa simbólica cobrada pelo seu banco. Além de você estar com dinheiro em mãos (há quem diga que temos mais cuidado ao gastar o dinheiro físico do que com um cartão de débito, por exemplo), você pode entrar no extrato da sua conta a qualquer momento e decidir se o que você está gastando está condizente com o seu orçamento ou não.

Isso é o que pode te ajudar a controlar os gastos e te manter dentro do planejamento. Mas tudo isso também depende do seu auto controle e do que você considera como prioridade na sua viagem. Depois de algumas viagens, eu e o Masili descobrimos que não abrimos mão de boa comida, por exemplo, mesmo que isso signifique compartilhar um quarto e um banheiro em um albergue, onde passamos tão pouco tempo. Mas também conheço quem troque uma boa refeição por um quarto maravilhoso de hotel. Pra quem não abre mão de nenhum dos dois, a escolha do destino e a duração da viagem tem que ser mais cuidadosa. Qualquer prioridade é válida, desde que permita fazer da sua viagem aquilo que você quer.

Textos que você também pode gostar

Nenhum comentário

Comente